LIVRE DEMANDA OU MAMADA DE HORA EM HORA? parte 1

Oi meninas,

Hoje conversaremos um pouco sobre amamentação. O que consiste a livre demanda e a mamada de hora em hora? Quais são os seus benefícios? Suas dificuldades de aplicação? Hoje iniciaremos a discussão com a livre demanda e teremos no final do meu texto, depoimentos de mães amigas sobre o assunto.

Enfim, o que ver a ser a livre demanda. A livre demanda nada mais é do que o bebe mamar o quanto que quiser e a hora que quiser. Ãh???  Mas Vanessa, qual seria a frequência? A duração da mamada? Se ele chorar, eu devo dar o peito? Mas ele mamou a 5 minutos, como pode estar com fome? Dou de mamar mesmo assim?

Bem, o fato é que bebes choram por diversos motivos (fome, frio, cansaço, sono, tédio, irritação, sede, calor, doença, saltos de desenvolvimento, nascimento dos dentes, fralda suja ou apenas porque quer o seu colo). Como saber? Só você, mãe dele, saberá, se observar seus sinais. Com relação a fome o bebe poderá apresentar alguns desses sinais que são indicativos de fome: choro, mudança no nível de atividade (por exemplo acordar, interrupção de choro intenso), movimentos de procura do seio com a boca ou com a cabeça, por as mãozinhas na boca (por favor não é aquele de coçar a gengiva), se jogar em direção ao seio etc… O mais difícil aqui seria distinguir o choro de fome e de sono, mas pare e pense se já faz algum tempo (não muito) em que o bebê esta acordado, se ele mamou bem, ele só poderá chorar por sono (isso se o bebê estiver mamando de forma eficiente e tanto necessário para ele). Lembre-se que bebes não conseguem ficar muito tempo acordados e o leite materno é de fácil digestão. Então novamente analise seu baby, veja se ele está mamando o suficiente ou se está fazendo lanchinhos.

Os benefícios da livre demanda: ajuda no ganho de peso em bebes prematuros ou com baixo peso corporal, estimula a produção de leite, evite a dor e o endurecimento dos seios, controla a ansiedade do bebe, aumenta o aconchego do bebe, favorece a recuperação do parto e a volta do útero ao tamanho normal.

Dificuldades encontradas na livre demanda: dificulta a realização de outros afazeres, dificulta dar atenção ao filho mais velho, o bebe tem ganho de peso rápido e pode acarretar em um sobre-peso alem da faixa etária, pode acostumar o bebe a fazer lanches e a dormir por períodos curtos.

Segue alguns depoimentos de mães amigas EducaMãe que utilizaram e livre demanda com seus babys.

 

12025466_10207851286468221_575923941_n“Eu tive 5 bebês. De todos, amamentei apenas três. Aos 17 anos fiz uma cirurgia de redução de mamas e isso comprometeu a quantidade de leite produzida pra sempre. Por isso, amamentei, mas como o leite não era suficiente ,sempre precisei de complemento (leite em pó). Todas as vezes meu peito feriu muito! Tomei sol, preparei, massageei, passei tudo que me ensinaram mas não teve jeito: feriu de arrancar pedaço. Sangrava muito! O primeiro, precisei parar na terceira semana porque tive mastite grave, precisei tomar injeção e tirar liquido do peito com uma seringa, febrão de 39°. A segunda mamou com ajuda do complemento até 6 meses. O terceiro não conseguiu por causa da asma e parou logo no primeiro mês. A quarta teria mamado muito se não tivesse falecido bebê ainda. Hoje, o caçula mama muito no auge dos 6 meses de idade, mas com ajuda do complemento também. Sofri muito morrendo de inveja daquelas mães leiteiras que jorram leite, que doam para o banco. Mas depois desencanei. O importante é que todos estão aqui ,saudáveis e felizes, acima de tudo. Isso que importa: felicidade. Não dou atenção a esses urubus que ficam falando que só é saudável menino que só mama no peito e blá blá blá. Meus filhos são felizes e inteligentíssimos, os que não mamaram e os que mamaram . Falaram e andaram cedo, leram e escreveram cedo, não ficaram cheios de cáries. O importante é fazer, tanto a mamadeira como a ação de abrir a blusa no meio de todos ,com o maior amor do mundo. Essa receita sempre dá certo. A vida já é cheia de regras e horários,por isso, achei cruel demais estabelecer mais uma. Deixei meus filhos livres desde sempre nesse quesito! No caso do caçula, ele que decide que hora quer mamar ,se é só uma provadinha ou 20 min cada peito. Me achei a pior mãe do mundo no início, e pensava que meus filhos iam virar as piores pessoas do mundo, sei lá. Mas com o passar do tempo, eles mesmos estabeleceram suas rotinas. Meu caçula mama cada duas horas e meia, uns 15 min da cada lado. A única regra que tento não quebrar é sempre começar do peito que parei ( se bem que a preferência pelo esquerdo é clara!). Minhas meninas foram mais disciplinadas, e não viravam a noite mamando. Acordavam no máximo duas vezes e acho que era mais pra ter certeza da minha presença por perto. Agora meu caçula , até o 5 mês virava a noite mamando. Voltei a trabalhar cedo (ele estava com 3 meses e 18 dias) e isso piorou. O que não podia ter durante o dia compensava a noite. De dia, o pai se virava com leite em pó. Mas a noite ele se fartava. Nos dias que estou em casa, ele mama toda hora. Já entende que quando estou por perto ele pode abusar. Mas quando está na creche ou com o pai, tem que se contentar com mamadeira, frutinha, suco e papinha.”

Cristiane Dias, professora.

 

2ac5f64ca48e4ed4270f54912ec4cd49“Pra mim a amamentação em livre demanda foi uma escolha pelo que eu já havia passado. Eu sou mãe de segunda viagem, no meu primeiro filho tive essa preocupação de amamentar a cada 3 horas, de procurar fazer uma rotina bem enxuta e vou te dizer que eu não fui bem sucedida. Meu primeiro filho acordava a noite toda. Enfim, pra mim foi bem complicado. Com a minha bebe que vai fazer dois meses amanha. Eu optei pela livre-demanda, mesmo orientada por um pediatra a fazer a rotina de 3 em 3 horas. Eu optei pela livre demanda e foi a melhor escolha que eu fiz. Ela desde os 20 dias que ela já dorme a noite toda, eu dou o peito pra ela, deita no cantinho dela e acorda 6 horas ou 5:30 da manha. Então pra mim tem sido maravilhoso. Bem aqui em casa não tem rotina,aqui em casa na hora que ela quer, ela mama, na hora que eu percebo que ela esta um pouquinho agitada, ou que ela chega perto e eu percebo que ela quer o peito, eu dou. Então a gente não tem uma rotina, né a gente vai fazendo as coisas meio que por instinto. E tem funcionado muito bem. Ela é uma criança calmíssima, não me dá trabalho, não da trabalho pra dormir. Ela não fica enjoada durante o dia. É claro que assim pra sair, pra gente conseguir passear, ir em alguns lugares, pra resolver algumas coisas, exige um pouquinho dessa questão de estar em qualquer lugar e ter que dar de mamar, mas eu sempre dou um jeitinho. Procuro um lugar um pouquinho mais reservado e dou o peito, enfim nos não passamos por nenhum constrangimento, nunca passou por nenhuma situação desagradável por conta disso, pelo ao contrario. Pra mim é como eu disse tem sido uma das melhores escolhas que eu fiz com relação a maternidade, a livre demanda. E aconselho inclusive, porque hoje eu percebo que não dá pra você criar uma rotina muito regrada, fazer as coisas muito certinhas com o bebe que acabou de chegar, que ainda esta se adaptando, esta aprendendo a viver no nosso ambiente. A principio é mais fácil a gente se adaptar a ele e com o tempo ir mostrando que aqui fora existe uma rotina, aqui fora que eu digo fora da barriga, existe uma vida diferente daquele ele tinha. Do que a gente querer impor que ele se adapte a nossa rotina logo de inicio. Bom, eu acho basicamente isso, não tem muito falar assim, como eu disse eu já passei pelas duas experiencias e pra mim a experiencia mais interessante tem sido a livre demanda.”

Angelica Soares, analista de sistemas.

461a7adb01bf77c8924770d5f313814c“Sou mãe pela terceira vez e com todas fiz questão de amamentar. Existem vários motivos pra isso e um deles é que a amamentação ajuda muito na aquisição da fala. Além é claro de toda proteção e nutrição que o leite materno oferece e o mais gostoso que existe que é o vínculo mãe/bebê. Aquele olhar quando está nos seus braços. É infinitamente inexplicável. Muito amor. Até os seis meses, pra quem pode, acho muito prático, não se preocupar com comidinha, com suquinhos. No meu caso foi exclusivo até os 4 meses, em todas as três, pois tive que voltar a trabalhar.

Acho que toda a preparação deve ser feita na gestação desde o começo. Tomar sol nos mamilos, comprar bucha vegetal para passar no bico vão ajudar mesmo a não rachar.  Quando o bebê começou a sugar, no meu caso, senti ardência nos 3 primeiros dias, mas não lavar o bico e passar o próprio colostro ajudou a melhorar. Não precisei usar nenhum remédio.
Tomar cuidado nos primeiros 15 dias pois o peito pode empedrar. Então fazer muita massagem nas mamas, apesar de dolorosa nesse período ajuda muito.
Quanto à amamentação em si eu fugi um pouco do que a maioria recomenda. No meu caso, o aleitamento foi de livre demanda, ou seja sempre que a bebê queria eu oferecia. É claro sempre com aqueles cuidados de manter na mesma mama até o final, pois é esse final que tem mais gordura para o bebê. As sonequinhas aconteciam nesses intervalos depois de arrotar é claro, 30 minutos esperando de pé. Mas por segurança eu seguia à risca, ja que a Isadora (mais nova) teve intolerância a proteína do leite que é um tipo de alergia mais grave ao leite, derivados, carne vermelha. A amamentação materna é ainda muito importante para ela. Tentei dar outro leite recomendado pela Gastro mas ela não aceitou e agora estamos tentando ver se ela aceite o leite de arroz.
 No começo tudo fica muito tumultuado. Com três meninas com demandas diferentes, trabalho, casa, achei que ia enlouquecer. Mas com amor, muito diálogo e paciência, as coisas vão se encaixando e as meninas me ajudam muito com a bebê. Acho que até rola um ciúmes as vezes, mas sempre consigo contornar conversando muito.
Minha bebê é muito agitada e assim também foi a minha mais velha, ou seja, não dorme muito, cerca de 30 minutos parecem satisfazê-la durante o dia, mas sempre insisto que durma mais um pouco. As noites então acostumei ela muito mal, mas confesso que assim fiz com as outras duas também. Não me arrependo, apesar do cansaço deixo que durma na cama comigo se está mais agitada ou se começa acordar muito. Faço isso sem culpa. Não fico preocupada seguindo livros pois no dia a dia as coisas são bem diferentes.”
 Cristiane Scardovelli, fonoaudiologa.
Se gostou, dê um like e compartilhe essa ideia…e se você tem alguma dica ou algum depoimento, por favor comente e vamos conversar.

 

 

 

 

Tags :
Voltar ao artigo anterior
Ir ao próximo artigo

Sobre Vanessa Almeida Moyses

Oi meninas, sou a Vanessa, Mãe de duas princesas, Bianca com 3 anos e Laura com 5 meses, alem disso sou dona de casa, professora escolar e blogueira. Tenho diversos hobbys, o que mais me realiza é ser mãe em tempo integral e descobrir como realizar as tarefas de maneira mais fácil e didático possível em benefício das minhas meninas.

Deixe uma Resposta

Prometemos não incomodar.
Os campos com * são obrigatórios.

*

Voltar ao Topo